ERGO 30

ERGO 30

Comunidade Esperança

Comunidade Esperança

terça-feira, 24 de outubro de 2017

SEM CRISE, PAULO CÂMARA RETIRA DINHEIRO DA EDUCAÇÃO, SAÚDE, CHIKUNGUNYA E SEGURANÇA PARA COLOCAR R$ 1,5 MILHÃO NO FEM DOS PREFEITOS

Sem alarde, o governador Paulo Câmara (PSB) assinou mais um decreto remanejando recursos de áreas estratégicas para o FEM – Fundo de Apoio aos Municípios.

Desta vez recursos de várias áreas, inclusive educação e segurança pública, foram alocados no FEM, no total de 1,59 milhão de reais.

O decreto 45.155 foi assinado em 19 de outubro e já está em vigor.

Nas inserções do PT estadual em 2017, a vereadora Marília Arraes fez duras críticas a prática de Paulo Câmara de retirar recursos de outras áreas para o FEM. Na época, a vereadora criticou o decreto 44.997, que retirou recursos da educação, saúde e segurança para colocar no FEM.

“O governador tirou dinheiro de saúde, educação e segurança para distribuir entre aliados políticos. Como combater a violência com um efetivo policial menor que 30 anos atrás?”, indagou Marília.


Agora, no novo decreto, saem recursos da melhoria da rede escolar, de obras hídricas no meio rural, combate à dengue e chikungunya, ampliação da rede de saúde e até reaparelhamento de unidades de polícia para serem direcionados ao FEM.

O setor que mais perde para os prefeitos é o combate ao mosquito Aedes (chikungunya), com mais de 1 milhão de reais de perda.

Geralmente, o FEM é usado pelos prefeitos para obras simples, sem repercussão econômica, como calçamento de ruas.

É um fundo criado pelo ex-governador Eduardo Campos, em 2013, para repassar dinheiro diretamente às prefeituras, sem nenhuma burocracia.

Desde sua criação, em 2013, o FEM está envolto em polêmicas.

Nas eleições do ano passado e também em 2014, a oposição criticou várias vezes o uso do FEM para supostamente “cooptar” prefeitos.

“Criaram o FEM 1 e o FEM 2. E agora estão querendo criar o VEM, que é uma forma de trazer a qualquer custo e de premiar os infiéis”, ironizou Armando Monteiro Neto, em abril de 2014, quando era candidato a governador.

Com a palavra, a oposição na Assembleia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário