Cavaleiros Vip

Cavaleiros Vip

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

PRESO DEIXA CADEIA PARA PRESTAR CONCURSO PARA A PM

Um homem acusado de assaltar dois carros-fortes recebeu autorização da Justiça pra sair da prisão e fazer a prova de um concurso. Concurso público.

Atrás das grades está um detento do sistema carcerário do Piauí. Ele veio ao Maranhão para fazer um dos testes físicos para o concurso da Polícia Militar do estado.

O candidato a PM Luís Carlos Rodrigues de Oliveira foi preso em dezembro, em Teresina, suspeito de roubar R$ 1,5 bilhão em dois assaltos a carros-fortes. De acordo com a acusação, houve troca de tiros na hora da prisão. Luís Carlos e outro suspeito foram presos.

Com o grupo foi apreendido um arsenal, com armas de grosso calibre e até dinamite.

Foi o juiz Lirton Nogueira Santos que autorizou a saída temporária de Luís Carlos da prisão para fazer a segunda etapa do concurso para a PM do Maranhão, que são os testes físicos.

Na decisão, ele justificou que o "denunciado tem um filho de 11 anos e uma esposa acometida por uma grave enfermidade".

Luís Carlos chegou para os testes sem escolta e usou calça porque estava usando uma tornozeleira eletrônica.

Luís Carlos Rodrigues de Oliveira foi reprovado, mas a decisão judicial que autorizou que saísse da cadeia para participar do concurso da PM surpreendeu até a Sociedade Maranhense de Direitos Humanos, que defende a ressocialização de detentos, mas não dentro de uma instituição como a Polícia Militar.

“É uma decisão também inusitada. Em segurança pública eu acho que não é o espaço adequado para esse tipo de ressocialização. A possibilidade de infiltração hoje no país é muito grande, inclusive pelas organizações criminosas”, disse o presidente da sociedade, Luis Antonio Pedrosa.

A Associação dos Policiais Militares de São Luís também se manifestou contrária à participação de um detento no concurso.

“Para maior espanto nosso, ele não só trocou tiros com policiais do Piauí. Ele trocou tiros com pessoas do próprio estado, da própria polícia do estado que hoje ele quer engrossar nas fileiras,” Maílson Costa, representante da Associação da PM de São Luís.

Luís Carlos disse que a falta de treino da cadeia atrapalhou o desempenho dele nos testes.

“Faltou 200 metros pra eu terminar a prova. Vou tentar novamente, entendeu? Até porque eu sou um cidadão. Não sou bandido”, disse Luís Carlos.

A Secretaria de Segurança Pública do Maranhão declarou que respeita e cumpre decisões judiciais.

G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário