ERGO 30

ERGO 30

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

PMS APROVAM EM ASSEMBLEIA OPERAÇÃO PADRÃO ATÉ A SEXTA-FEIRA

Grupo de Policiais Militares, na porta do Palácio do Campo das Princesas, decidiu em assembleia, antes de deflagrar uma eventual greve, por aumento de salários, realizar uma operação padrão (espécie de operação tartaruga), de forma a pressionar o governo do Estado sem poder legalmente ser acionado na Justiça. Legalmente, ao menos, a categoria é proibida de promover paralisações. Aos PMs também é vedado participação em movimentos políticos. Antes de discutir a possibilidade de greve, uma das opções apresentadas pelos oradores à categoria foi o aquartelamento, que consistia em ficar de braços cruzados nas corporações, ao lado dos oficiais.

A nova concentração será realizada, às 14:00, no Derby, com uma nova caminhada até o Palácio do Governo. No evento desta terça-feira, o deputado estadual Joel da Harpa chamou o governador Paulo Câmara de irresponsável, em mais de uma oportunidade.

O novo secretário de Defesa Social também foi criticado, por não ter chamado às associações para negociação. Nesta terça-feira, o governo do Estado mudou a relação com a categoria. De forma inusitada, a assembleia transcorreu em clima de culto, com várias citações de passagens bíblicas exortando os guerreiros e criticando os que não tivessem coragem de lutar.

Nos discursos, os oradores também fizeram questão de afastar a crítica de que estavam fazendo uso político do movimento. Uma das argumentações era de que este momento (dezembro de 2016) e o próximo ano não são de eleições (estaduais). No entanto, ao menos dois dos líderes do movimento são ligados ao PTB e ao PSDB, dois partidos de oposição ao PSB.

O evento começou a ser gestado por volta das 14 horas, na Praça do Derby, onde ocorreu uma concentração e depois os policiais saíram em caminhada pela Avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife. Na chegada ao Palácio do Campo das Princesas, os PMs que participavam da manifestação fizeram provocações ao efetivo na Casa Militar, oficiais e PMs.

O governo do Estado recusou-se a receber as representações sindicais. Seis integrantes da comissão de PMs entrou por volta das 19h30 para entregar a pauta de reivindicações. Jose Roberto Vieira, presidente da Aspra, Associação de Cabos e Soldados, antes mesmo da deliberação, garantia que a paralisação iria ser imediata caso a categoria deflagrasse greve.

Há oito meses governo e associações fechara acordo, evitando uma paralisação. A categoria alega que vários itens do acordo não foram cumpridos e quer voltar a negociar sobre um Programa de Valorização Profissional, que inclui a implantação da remuneração na forma de subsídio para todos os cargos dos militares e bombeiros e a revisão do Plano de Cargos e Carreiras (PCC), de forma aos salários se equipararem aos da Polícia Civil.

Em outubro, o Estado negociou com a Polícia Civil um plano de reajuste – a ser implementado entre janeiro de 2017 e dezembro de 2018 – no qual o salário de fim de carreira dos agentes vai se igualar ao piso dos delegados. Hoje, o salário inicial de um soldado é de R$ 3,6 mil, com auxílio-transporte. O de um agente é R$ 3,2 mil, mas passa para cerca de R$ 3,7 mil em janeiro e R$ 3,9 mil em 2018.

No acordo firmado com os PMs, em abril, foi oferecido R$ 400 de auxílio-transporte para os praças e R$ 600 os oficiais, ativos e inativos, além de R$ 750 de auxílio­uniforme, entre outros itens. O presidente da Associação de Cabos e Soldados (Aspra), José Roberto Vieira, critica o fato de o governo ter passado a negociar com os comandos, quando há dois anos já havia se formado uma mesa com as entidades de classe.

“Nada contra os coronéis, mas quem fala pela tropa são as entidade representativa de classes. Para que então foi criada a mesa de negociação?”, questiona, por meio de nota.

Negociações

O Diário Oficial de Pernambuco trouxe nesta terça-feira (6) a revogação de uma portaria que instituía um fórum para as negociações salariais e por melhorias para os policiais militares do Estado. Com o fim do grupo, que era formado por representantes da Secretaria de Administração (SAD) e por oficiais, os ajustes serão feitos a partir de agora pelo comando geral da corporação.

Os policiais militares marcaram para esta tarde, na Praça do Derby, na área central do Recife, uma assembleia em que podem deflagrar greve. A categoria pede a apresentação de um plano de cargos e carreiras como foi feito com os policiais civis, que têm aumentos para de 2017 e 2018 definidos e, no fim da aplicação do acordo, terão seu teto equiparado ao piso dos delegados.

Blog de Jamildo - NE10)

Nenhum comentário:

Postar um comentário