ERGO 30

ERGO 30

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

RENAN QUER VOTAR REAJUSTE DOS MINISTROS DO STF AINDA NESTA QUARTA

]Em aceno ao presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Ricardo Lewandowski, Renan Calheiros (PMDB-AL) quer votar o reajuste nos salários dos ministros do Supremo ainda nesta quarta-feira (31), após a votação do impeachment de Dilma Rousseff. Ele convocou sessão para as 17h.

O aumento está previsto no projeto que eleva o teto dos vencimentos do Judiciário de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil. O presidente do Senado também tentou articular um gesto ao ainda presidente interino, Michel Temer, e, numa reunião na madrugada desta quarta-feira com parte da bancada do PT, pediu apoio da oposição a um acordo para quebrar a regra que ele mesmo havia criado de não votar medidas provisórias que tivessem chegado à Casa há menos de sete dias.

Com isso, pretendia dar um sinal a Temer e apressar a aprovação de algumas MPs, como a que cria PPI para concessões e medidas de privatização.

Em troca, Renan ofereceu trabalhar para que o plenário votasse contra a inabilitação de Dilma, caso Lewandowski aceitasse a proposta de fatiamento da votação proposta pelos petistas no início da sessão desta quarta.

Não houve acordo durante a madrugada, mas Renan, segundo aliados, pretende insistir para levar a plenário a votação de algumas MPs. Os senadores do PT afirmam que não vão aceitar um acordo para ajudar o governo Temer no dia do impeachment de Dilma e vão "expor" a "quebra do acordo".

Polêmica

A discussão sobre o aumento provocou divergências entre senadores do PSDB e do PMDB devido ao grave momento econômico que o país enfrenta. Os tucanos eram contra o reajuste, e pressionaram Temer a não defender publicamente o projeto, enquanto peemedebistas apoiavam a ideia. Mesmo com a rebelião petista, Renan tem número para abrir a sessão e votar as propostas nesta quarta.

FolhadePE

Nenhum comentário:

Postar um comentário